Como o coronavírus está afetando os Videomakers pelo mundo

A equipe do site Cinema5D nos mostrou como o coronavírus está afetando os Videomakers ao redor mundo.



Johnnie Behiri - Tóquio

A vida em Tóquio diminuiu um pouco (algumas empresas de nossa indústria pediram que seus trabalhadores trabalhassem em casa), mas, em suma, os japoneses estão cientes de desastres naturais e lidam com a situação de maneira admirável. Sem pânico, sem egoísmo, mas com solidariedade e respeito! Lojas, restaurantes, transporte público, onde quer que você olhe, você vê pessoas por aí.


Nino Leitner - Áustria

Eu estava trabalhando em dois projetos de documentários que estavam prestes a terminar quando o toque de recolher total na Áustria foi anunciado no domingo passado. Eu estava filmando no dia em que soubemos que nosso dia seguinte seria cancelado, porque agora são proibidas na Áustria reuniões de mais de 5 pessoas, para impedir a rápida propagação do vírus. Concluí um dos documentários gravando as quatro entrevistas restantes via conferência do Skype, filmando o apresentador em um estúdio com o diretor sentado, e uma equipe de três pessoas onde todos mantinham distância. Foi uma experiência muito estranha.


Todos os dias parece cada vez mais que o mundo não será o mesmo depois que essa crise global da saúde acabar... tanto econômica, quanto socialmente. Felizmente, as pessoas estão descobrindo a solidariedade das outras pessoas e há um forte senso de “estamos todos juntos".


Jeff Loch - França

Estou morando em Lyon, na França, que é a terceira cidade mais significativa do país. Agora estamos em quarentena. Você não pode sair sem autorização ou recebe uma multa de US$ 40, em breve a multa vai ser de US$ 150. As ruas estão vazias, um sentimento bastante estranho, mas a vida continua. A partir de agora, a quarentena é definida por 15 dias, mas eles podem estendê-la.


É um momento difícil, mas o mínimo que podemos dizer é que os franceses não são os mais disciplinados por aí. Vi muitas pessoas ao ar livre, aproveitando o tempo ensolarado, pensando que talvez não as atingisse. Mas o país está ficando um pouco louco, as pessoas estão correndo para comprar toneladas de comida, mesmo que tenhamos muitos estoques nos supermercados e no país por me